As propostas de piso salarial para PMs e bombeiros

function imprimir() { window.open(‘noticia_print.asp?cod_publicacao=31698&cod_canal=1′,’blank’, ‘toolbar=no,location=no,directories=no,status=no,menubar=no,scrollbars=yes,resizable=no,width=800,height=600,left=’ + (screen.width – 700)/2 + ‘,top=’ + (screen.height – 480)/2); } function email() { window.open(‘noticia_mail.asp?cod_publicacao=31698&cod_canal=1′,’blank’, ‘toolbar=no,location=no,directories=no,status=no,menubar=no,scrollbars=no,resizable=no,width=320,height=310’); } function comentarios() { window.open(‘comentarios_blog.asp?cod_publicacao=31698&cod_canal=1′,’blank’, ‘toolbar=no,location=no,directories=no,status=no,menubar=no,scrollbars=yes,resizable=no,width=360,height=390’); }

O Congresso caminha para definir um piso salarial nacional para policiais e bombeiros militares. Confira a íntegra das duas propostas que estão para ser votadas na Câmara:

PEC 300/08 (substitutivo da comissão especial)

PEC 446/09 (texto aprovado no Senado)

PEC 300

De autoria do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), a PEC 300 estabelece que nenhum policial ou bombeiro militar poderá receber menos que o piso salarial da categoria no Distrito Federal. O texto, aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), foi alterado na comissão especial que analisou o mérito. Os deputados decidiram estabelecer o valor de R$ 4,5 mil como salário inicial de praças e de R$ 9 mil o de oficiais. A proposta gerou forte mobilização dos militares, que lotaram as galerias da Câmara na primeira semana do ano legislativo de 2010 para pressionar os deputados a aprovarem o texto.

PEC 446

De autoria do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), a proposta é a preferida do presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), que vê inconstitucionalidade na PEC 300 por incluir valores na Constituição Federal. A PEC 446 cria o piso salarial para os servidores policiais e remete a definição do novo valor a uma lei federal, a ser enviada pelo Executivo ao Congresso no prazo máximo de um ano. A proposta é defendida pelo presidente da Associação Nacional dos Cabos (Anaspra), deputado distrital Cabo Patrício (PT-DF), mas enfrenta resistência da categoria.

Leia ainda:

PEC 300 divide Câmara e corre risco de não ser votada

PEC 300 fica fora das prioridades da Câmara

PMs e bombeiros ameaçam greve se piso não for votado

Fonte: Congresso em Foco

Anúncios
Esta publicação foi escrita por Gregório Júnior e publicada em fevereiro 8, 2010 às 2:57 am. Está arquivada em PEC 300, PM. Guarde o link permanente. Seguir quaisquer comentários aqui com o feed RSS para este post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: